Arqueologia

O projeto de restauro contou com o suporte de um trabalho de arqueologia que levanto dados sobre as condições do solo. Após várias escavações e da descoberta de dois sepultamentos intactos, foi possível afirmar que o solo da Capela de São Miguel Arcanjo possui grande interesse arqueológico.

Fotos do trabalho de arqueologia realizado no interior e no entorno da Capela

 






















Foram levantadas informações sobre a história e a vida de seus mais antigos moradores. Além deste ponto, a pesquisa arqueológica, levantou informações importantíssimas sobre o convívio entre brancos e índios, reforçando o fato de que, jesuítas e indígenas, trabalhavam em conjunto para o crescimento e o fortalecimento do aldeamento, respeitando-se mutuamente.

Sepultamento intacto encontrado no interior da sacristia

Um exemplo deste convívio pacífico é o fato de um sepultamento indígena ter sido descoberto no interior da Capela Lateral, um dos ambientes mais sagrados para os católicos, mesmo assim, foi permitida a realização de um funeral fora do rito cristão.

Cachimbo em cerâmica


Vaso indígena

Outro ponto de destaque, foi a utilização de radar para indicar as áreas que possuem interesse arqueológico, este apontamento é importantíssimo pois garante a preservação do solo caso futuras intervenções sejam executadas em toda a área da Capela e da praça. 

Técnico realizando o mapeamento geofísico

Imagem geradas pelo radar
 Uma parte dos objetos retirados durante as escavações está exposto no Circuito de Visitação da Capela, a outra é parte do acervo do Sítio Morrinhos, onde funciona o Centro de Arqueologia de São Paulo: http://www.museudacidade.sp.gov.br/sitiomorrinhos.php